Faro-Chaves em bicicleta



Faro/Cantábrico


Bamboleando-se por Alentejos Sadinos  e bordejando águas salobras depressa o comboio ganhou nas muitas curvas  as planícies verdes e solestícias  com destino a Faro ,chegou às previstas 17:30
Foi hora de montar a bicicleta em sentido literal porque a transportou desmontada como mandam as regras e  também fisicamente pois foi subindo sempre e com dificuldade em direcção A barranco do Velho onde chegou  de noite, tinha de descansar e nada melhor que um alpendre abrigado da chuva miúda e impertinente que caía e caía sem dó, não havia a prevista e habitual escola “antigo regime” (normalmente refugiava-se em escolas) mas um centro social serviu o propósito que era simplesmente dormir.
Pelas seis Horas da madrugada  inicia-se o percurso incerto que o levaria até ao outro mar bem mais a norte ,o Cantábrico, lado oposto da Península e a cerca de mil quilómetros de distancia , em outras duas ou três etapas.
O sol descobria uma esguia silhueta de ciclista que se projectava agora para a esquerda e abrangia toda uma serra silvestre e verde  embora colorida assim por curto espaço de tempo, o Caldeirão era incandescente e habitualmente seco como um deserto e vermelho como o fogo  que insistia em atacar com labaredas e persistia assim anos e anos a fio esta desertificação, os cheiros agora eram de estevas e humidade fresca, até perto do meio dia e aí já sem as referidas e frescas sombras.
As cegonhas perderam o nomadismo e nestas terras malditas e ditas sem sombra não trouxeram mais almas nem devolveram as emigradas nem as ninhadas destas trouxeram filhos, ficaram os velhos e doentes mirando horizontes planos sem vivalma.
Era dia dos cravos (2010) mas as revoluções esqueceram-nos , ficaram-se por comemorações vazias de significado ,por todas as localidades onde ainda havia gente e trabalho as autarquias empenhavam-se em  manter  a chama  tardia.
A distancia até aos cem quilómetros pareceu curta, as pernas respondiam á frenética vontade de pedalar, parecia que o destino estava ganho, faltava metade e o acumular de esforço iria  tornar-se dilacerante para os músculos ainda recentemente repousados por um inverno assaz longo .
A estrada nacional 2 em mau estado no distrito de Setúbal baixaria a media que teimava manter-se teimosamente nos 22 km hora, depois ainda ficava no caminho uma pequena serra já no fim do percurso, Monfurado estava posta ali mesmo antes do final desta etapa em Montemor-o-novo e parecia um interminável obstáculo.
Chegando ao termino e esticar-se na relva do pequeno jardim à entrada de Montemor avalia o que já fizera em termos Peninsulares, desde a tentativa de atravessar os Pirenéus do Atlântico ao Mediterrâneo no mais curto espaço de tempo ou seja 14 dias (faltavam-lhe 10 dias), O caminho de Santiago Francês em sete dias (faltavam três dias para finalizar), planeia a continuação até Chaves e ao Cantábrico mas não sem duvidar um pouco da sua boa sanidade mental que o levava e ele e ao corpo até ao limite, sem razão ou recompensa aparente que não fosse aquele sentimento de “dever”cumprido,mas qual dever? deveria isso a ele próprio ?(por egoísmo) ou sentia-se na obrigação de superar todos os outros “eus”que o afligiam e diziam ser impossível,contrariava toda a família e até os músculos, a solidão , o medo que sentia e tentava enfrentar, restava-lhe saber -em prol de quê ? E porquê!? Talvez nunca obtivesse resposta a esta pergunta,
Entretanto estava de regresso a casa, á família, ao conforto e ao trabalho, rendido momentaneamente, mas não vencido, as serras, os caminhos, os trilhos e as paisagens, as falésias de cortar o fôlego ainda esperariam e seriam suas e ele faria parte delas e ele sonharia de novo e sempre o sonho de ser parte da natureza e partilhar o mesmo ar que esta respira
O destino dele era ser Transhumante

Jorge Santos / Transhumante
Abril 2010



Montemor/Góis (pela estrada nacional nº 2) 2ª etapa até Chaves

Desta vez, (28 Agosto 2010) já é no meio de acastanhados cachos de uvas e secos pastos que um velho autocarro transporta a bicicleta, desmontada (como é regra), como se no porão vazio do grande veículo não coubessem pelo menos 100 bicicletas,
Apeiam-no em Montemor-o-Novo,e a mesma frase dúbia do condutor deste transporte público tal como no Comboio que o levará nos próximos dias (11 Setembro 2010) para Burgos “queremos a bicicleta devidamente acondicionada “, sabe lá ele (ou alguém) o significado dessa frase.
O autocarro tem partida no terminal rodoviário de Setúbal às 14:30, um sábado e em boa hora pois termina o trabalho pelas 13 horas, (todas as aventuras próximas têm inicio no mesmo horário), tinha de trabalhar e conciliar os tempos livres sem perder demasiado tempo em fins-de-semana tão curtos, apenas o tempo de comer a enorme e saborosa bifana acompanhada com muita cerveja no café “pic-nic” de Montemor, um ponto de paragem que não esquece ,cada vez que se desloca nesta direcção.
São Geraldo,Ciborro ,Brotas ,Mora e Ponte-de-Sor terão de ser alcançadas antes do põr-do-sol nesta etapa, a Serra da Lousã, depois de Vila-De-Rei será a parte mais dura e enrugada do trajecto pela estrada nacional 2 e ele não pode chegar muito tarde ao fim do percurso.
Esperam-no, em Góis alguns providenciais amigos de longa data que o transportarão de volta a casa, um conforto que não subsistirá mais para norte, onde apenas terá que contar com ele próprio para regressar a casa, de qualquer forma não tem por costume depender de ninguém e espera não se dar mal com esta confortável boleia de regresso.
16:30, tempo de partir.
Quase que se pôde considerar monótona a estrada de planície que separava Montemor de Ponte-de-Sôr,(km 444) só em Abrantes e depois de Atravessar o Tejo aumenta a dificuldade mas também o desafio das longas e frequentes subidas quando a estrada perde o nome ilustre de N2 para as novas I.P’s.
Rasgam-se paisagens depois de se levantar cedo, a pernoita fez-se nos Bombeiros de Ponte-de-Sor mas o pequeno almoço muitos quilómetros de estrada em sobe e desce constante ,na Sertã às 11:30 hora
Procura pelo marco 333 próximo de Pedrógão mas não o encontra, não tem muitos objectivos para fotografar e inúmeros marcos desta estrada encontram-se desaparecidos ou em mau estado, havia que dar testemunho deles antes que desaparecessem de vez.
O conta Quilómetros da bicicleta já passa dos duzentos e quarenta quando a vontade do transhumante (aquecida pelos 36 graus às 16 horas de uma tarde ardente) se derrete e transforma o que até aí tinha sido um prazer apenas numa aposta em alcançar Gois, pouco depois de Passar Alváres e o marco do Km 300 (faltavam 300 km para Chaves)
O telemóvel toca, são os amigos que o despertam para o cansaço e desiste de pedalar antes de chegar ao  ponto mais pitoresco do percurso, no alto da “Portela do vento”.
De uma saborosa média de 25.50 km/hora tinha descido rapidamente para a média sofrida e habitual de 22.22 km/hora, estava pronto a desistir para continuar noutro fim-de-semana, não tinha que provar nada a si próprio nem a ninguém e sentia que tinha cumprido o que se propusera, quase alcançara Góis, na próxima etapa terá de viajar de autocarro até Coimbra, tentar encontrar esta Aldeia perdida na Serra da Lousã (Alváres) e reiniciar daí a viagem, talvez já até ao final, se este for Chaves, ou até ao Cantábrico, um pouco mais longe, tem em boa memoria as Termas de Ourense e espera revisitá-las outra vez para recuperar os músculos doridos.
Além disso, na semana próxima, em 11 de Setembro (2010) será nessa mesma rota que tentará cumprir os últimos 600 km de transhumancia nos Caminhos de Santiago até ao Cabo Finisterra….
(continuará…)

Jorge Santos


Pedrogão / Chaves em bicicleta (conclusão)

Na véspera de partir, o Transhumante fez um telefonema para a empresa de transportes “de expressos” reservando lugar ,
Perguntou se aceitariam o transporte da bicicleta para Pedrógão Grande, a localidade mais próxima de Alvares e do km 300 onde tinha parado na última etapa do Faro/Chaves.
A resposta foi afirmativa, na parede da estação de autocarros de “Sete Rios” em Lisboa viu escrito em letras vermelhas “É proibido o transporte de bicicletas”,
Foi bem-vindo a bordo do autocarro da empresa de Expressos para Pedrógão Grande, arrumaram-lhe a bicicleta previamente desmontada no porão e hei-o de partida no fim de tarde, às 19.00 horas de uma quinta-feira de chuva e trovoada.
Chegado a Pedrógão pediu mais uma vez permissão, como ao longo de todo o caminho, para pernoitar nos bombeiros voluntários, dormiu no grande salão de festas.
Na rua, uma chuvinha miúda ameaçava a progressão do dia seguinte, convenceu-se que acordaria pelas 5 da manhã e lutaria contra todas as intempéries, haveria de chegar o mais próximo possível do fim da odisseia de atravessar Portugal na vertical.
Estava muito longe de casa e não lhe era já tão familiar esta paisagem rústica de montanhas rudes e pessoas xistosas, da mesma cor do céu e da ameaça da trovoada.
Desconhecia quantos quilómetros tinha pedalado até Castro D’aire,( no total seriam 331.60 km) estava tremendo de frio e mais uma vez os providenciais bombeiros serviram de abrigo na noite de sexta feira santa para sábado 22/23 de Abril , (sem eles não teria conseguido).
 Tinha de prestar homenagem a esta gente que abnegadamente prestava um serviço importantíssimo a populações envelhecidas das regiões interiores de Portugal e a quem sinceramente agradecia o abrigo que lhe haviam oferecido durante esta e outras jornadas, sentia-se protegido pelos Bombeiros de Portugal
Pela primeira vez no dia, em Castro D’aire devorava uma refeição quente, a primeira desde que saíra de casa, em Setúbal estava apenas com o pequeno-almoço desde Pedrógão, depois do dia extenuante do ponto de vista físico e psicológico, a chuva constante desgastara e corroera-o por dentro, e  nestas situação extremas, principalmente por estar sozinho sentia ainda mais que o destino lhe pertencia ,o destino de Transhumante.
O sábado começou bem e com um lindo sol.
A saída da localidade foi confusa (assim como outras) por não estar bem sinalizada, dava-se mais atenção, não sabia se ingenuamente, às placas sinalizando auto-estradas e Ip’s e esquecia-se de uma forma sistemática os itinerários nacionais e regionais como por exemplo esta estrada Nacional 2, que liga as pequenas vilas e cidades, desconfiava muito desta falta de sinalização que acontecia até nas grandes cidades como Coimbra e outras e levavam os utentes das estradas a pagar tarifas de portagens de valores absurdos por km’s que podiam ser feitos em percursos bem mais baratos e cénicos.

Ao descer os quase vinte Km’s até Lamego e Peso da Régua o sorriso do Transhumante aumentava, O Porto de honra bebido á saída da Régua ajudou nas pequenas subidas que se sucederam até Penaguião e Vila real, não podia adivinha o que aconteceria no fim de tarde e nesta mesma cidade.
À laia de comemoração almoçou no restaurante “Passos Perdidos” em Vilarinho de Samardã um grande naco de carne de vaca Mirandesa, pediu aí para consultarem na internet os horários de autocarro de Chaves para Lisboa descobrindo como tinha sido precipitada a celebração, iria perder o último transporte desse dia de Chaves para Lisboa, iniciava-se então uma viagem de regresso atribulada.

Uma questão positiva destacava no trabalho destas autarquias para lá do Marão, a recuperação das antigas vias-férreas de toda a zona e que possibilitavam a deslocação de peões e ciclistas desde Vila real a Chaves e Verin em Espanha, era muito importante possibilitar e defender o uso de bicicleta por todos os motivos imagináveis e não o oposto e considerar respeitosamente os ciclistas e backpacker’s qualquer que fosse o seu aspecto ou distância que estivessem de casa e como cidadãos plenos de direitos e não como indesejáveis apenas porque consomem menos que os turistas ditos “normalizados”
Apesar do Autocarro da “Rodonorte” passar para Lisboa vindo na direcção contrária, tinha sem dúvida de fotografar o marco “0” em Chaves e assim fez.
Depois, quase sem parar, tomou Autocarro da empresa Alto Tâmega que o levou a Vila Real, restava-lhe agradecer a esta empresa de autocarros que não pôs em questão o transporte da bicicleta e ao atencioso motorista que saiu no sábado dia 23 de Abril às 17.00 horas em Direcção a Peso da Régua.


Restava-lhe o orgulho pessoal de ter completado o percurso da maior estrada do país, a estrada Nacional 2,era tempo de pensar no próximo projecto “A rota da seda em bicicleta” por áreas mais remotas do planeta de Xi’an a Istambul…Apesar de tudo Deus é Grande...e Perdoa

Jorge Santos (04/2011)
Enviar um comentário

tradutor

center>

Licença creative commons

Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. ESTA OBRA ESTÁ LICENCIADA SOB UMA LICENÇA CREATIVE COMMONS. POR FAVOR NÃO USE AS IMAGENS EM WEBSITES, BLOGS NEM OUTROS MEIOS DE COMUNICAÇÃO SEM MINHA PERMISSÃO EXPLÍCITA. © TODOS OS DIREITOS RESERVADOS PLEASE DON'T USE THIS IMAGE ON WEBSITES, BLOGS OR OTHER MEDIA WITHOUT MY EXPLICIT PERMISSION. © ALL RIGHTS RESERVED